Colágeno: mito ou verdade?

Muito se fala sobre a suplementação de colágeno para diminuir (ou evitar) a flacidez e a celulite (entre outros "benefícios"). Quando eu explico para os meus pacientes que não é bem assim que funciona, surgem várias dúvidas a respeito e todos querem saber se realmente vale ou não a pena investir nesse tipo de suplementação.

Para um melhor entendimento, você precisa saber antes o que é o colágeno. 

O colágeno é uma proteína, que como todas as outras é formada por uma rede de aminoácidos. Quando ingerimos uma proteína, ela é degradada em vários outros aminoácidos pelo processo natural de digestão. O que muitos não sabem é que esses aminoácidos degradados não necessariamente formarão o colágeno novamente.

Explicando melhor: quando ingerimos proteínas, após seu processo de degradação elas serão "encaminhadas" para os processos celulares que mais precisam delas. Pode ser o nosso sistema hormonal, nosso sistema imune, o sangue, os músculos e por aí vai. 

Por exemplo: se você está gripado e usa o colágeno com o objetivo citado acima, é muito mais provável que nesse momento ele seja direcionado para recuperação do seu sistema imune debilitado pela gripe do que para o ganho de massa muscular, diminuição ao da flacidez ou da celulite. Deu pra entender?

Mesmo em pessoas saudáveis, não tem como ter certeza que ele será direcionado para o que você tanto almeja. Afinal, o nosso corpo não funciona do jeito que a gente quer, e sim do jeito que ele precisa para a manutenção de uma boa saúde.

A suplementação de colágeno hoje é muito mais usada com o objetivo de promover a saciedade do que para diminuir a flacidez ou celulite. Portanto, antes de comprar qualquer potinho cor-de-rosa, pergunte ao seu nutricionista se esse suplemento realmente lhe trará algum benefício - é sempre o melhor caminho!