Tomate, licopeno e proteção contra doenças cardiovasculares: qual a melhor forma de consumo?

O tomate e os alimentos produzidos a partir dele, guardadas as devidas perdas com o calor, é rico em folato, vitamina C e potássio. Com relação aos fitonutrientes, o caroteno mais abundante no tomate é o licopeno, possuindo ainda fitoquímicos traços como o beta-caroteno, o gama-caroteno, fitoeno e fitoesteróis. Apesar do licopeno de não ser um precursor da vitamina A, o interesse neste carotenóide cresceu em anos recentes devido aos estudos que o associam à diminuição do risco de doenças cardiovasculares e câncer. 

O licopeno, como os demais carotenóides, se encontra em maiores quantidades na casca dos alimentos, aumentando consideravelmente durante o seu amadurecimento

Tomate cru ou processado? 

O consumo do tomate processado é melhor que o consumo do tomate cru, devido à maior absorção do licopeno, em decorrência da ação do tratamento térmico, que é capaz de romper as paredes celulares resistentes desse vegetal. 

A gordura também facilita a absorção do licopeno. A ingestão de molho de tomate cozido em óleo resultou em um aumento de 2 a 3 vezes na concentração sérica de licopeno um dia após sua ingestão, mas nenhuma alteração ocorreu quando se administrou suco de tomate fresco.