Vitamina B12 e cirurgia bariátrica

A vitamina B12 é sintetizada por bactérias, que consistem em sua única fonte. Ela está presente em praticamente todos os tecidos animais, que adquirem a vitamina indiretamente a partir das bactérias. Os maiores níveis de vitamina B12 dietética ocorrem no fígado de animais, uma vez que 50% dos estoques corporais encontram-se nesse órgão. Carnes e seus produtos, aves, peixes frutos do mar (especialmente mariscos e ostras), ovos (sobretudo a gema) são as maiores fontes. Leite e derivados como queijo cottage e iogurte contém menores quantidades dessa vitamina.

A vitamina B12 é fundamental para o metabolismo de lipídeos, carboidratos e proteínas. É indispensável para uma boa formação sanguínea e para o correto funcionamento do sistema nervoso.

A deficiência pode ocorrer pela ingestão reduzida, má absorção e erros inatos de transporte e metabolismo. Como a necessidade diária de vitamina é pequena, os sintomas de deficiência podem levar de 3 a 6 anos para se desenvolver. 

A deficiência de vitamina B12 é uma das complicações mais comuns após a cirurgia bariátrica. Vários fatores contribuem para isso, como a diminuição da ingestão de proteína animal devido à baixa tolerância desse alimento; diminuição da secreção gástrica que impede a clivagem dessa vitamina; secreção inadequada de fator intrínseco, que diminui a absorção e, por último, quando ocorre supercrescimento bacteriano no segmento íleo excluído. Na grande maioria dos casos, pacientes operados precisam suplementar essa vitamina.

As manifestações  primárias da deficiência são anemia megaloblástica e hipersegmentação de neutrófilos. Despigmentação localizada ou difusa do cabelo, língua vermelha e dolorida e hiperpigmentação cutânea também são alguns sintomas. As regiões mais afetadas são mãos, unhas, face e pontos de pressão.

Na deficiência de B12 podem aparecer manifestações neurológicas, que podem preceder os sintomas hematológicos. Classicamente, a deficiência dessa vitamina leva a degeneração subaguda da medula. Os sintomas incluem fraqueza generalizada, falta de coordenação de movimentos musculares, predominantemente nos membros inferiores. Se não tratados, os indivíduos podem evoluir com quadro grave de fraqueza, paraplegia e eventualmente incontinência. Outros achados neurológicos incluem apatia, irritabilidade, sonolência, perda de memória, demência e psicose.

Um acompanhamento nutricional adequado e a realização regular de exames é fundamental para a manutenção da saúde e prevenir a deficiência.