Você sabe o que é diabetes?


O diabetes é uma doença bem antiga (os primeiros relatos são da época egípcia) caracterizada por uma deficiência na ação ou produção da insulina. Para quem não sabe, a insulina é um hormônio produzido pelas células beta do pâncreas. No diabetes tipo 1 isso acontece em decorrência de uma reação auto-imune, ou seja, nosso próprio organismo começa a produzir anticorpos contra ele mesmo, destruindo as células produtoras de insulina. Hoje acredita-se que fatores genéticos podem levar a esse quadro. Portanto, se você tem mãe, pai, irmão ou algum parente diabético, deve ter um cuidado redobrado.

Já no diabetes tipo 2, ocorre uma resistência à ação da insulina ou então uma relativa deficiência em sua secreção. Mas você deve estar se perguntando por que isso acontece. No tipo 1, acontece em decorrência de uma reação auto-imune, como dito anteriormente. Já no tipo 2, a obesidade é um dos principais responsáveis.

O tipo 1 ocorre, na maioria dos casos, na infância e adolescência. Porém, pode aparecer na fase adulta também. Já o tipo 2 ocorre, em maiora, na fase adulta. Os principais sintomas são a sede excessiva e aumento na ingestão de líquidos, poliúria (a pessoa começa a urinar com frequência) e aumento do apetite. Pode ocorrer também perda de peso, visão turva, cansaço excessivo, entre outros. Esses sintomas podem acontecer lentamente ou então aparecer de forma rápida e intensa. Fique atento!

Ainda existem outros tipos de diabetes. O diabetes gestacional é o mais comumente encontrado. Outras formas podem acontecer devido ao aumento da função das glândulas endócrinas, secundário à doenças pancreáticas, do tipo LADA, entre outros.

Então, como tratar? O tratamento do diabetes consiste em normalizar a glicemia (ou seja, a glicose no sangue) através do uso de insulina ou hipoglicemiantes orais, controle alimentar e prática regular de exercícios físicos. Resumindo: viver de uma forma adequada e saudável.

Muito se fala hoje sobre as restrições alimentares e tudo que um diabético "não pode" comer. Isso gera dúvidas e medo nos portadores da doença e também em seus familiares. Nos dias atuais, a alimentação de um paciente diabético deve ser igual à alimentação de um indivíduo saudável - rica em frutas, verduras, legumes, carne magra e com açúcar e gordura em moderação. Foi-se o tempo em que nada era permitido. Hoje, é possível comer de tudo.

Outro assunto que preocupa muito os diabéticos é a aplicação da insulina. Existem no mercado canetas para aplicação que são muito mais eficazes do que as antigas seringas. Fáceis de guardar e levar - além de elegantes - são uma ótima alternativa para facilitar a rotina diária. Você pode colocá-la no bolso e sair andando por aí sem que ninguém saiba que é uma caneta de insulina. Muito melhor!

Tomando certos cuidados e planejando sua rotina, é possível viver como se não fosse portador da doença. Para isso, é necessário o acompanhamento de profissionais especializados, que irão ajudar você a entender e colocar em prática essas mudanças da melhor forma possível. Você só tem a ganhar!